Investimentos na Cultura

É realmente invejável como a Alemanha, através de órgãos públicos e privados, investe pesadamente em instituições e iniciativas culturais!

É certo, também, de que se trata de um país rico. Mas, de todo modo, existe a preocupação de valorizar e preservar os bens materiais e imateriais que contam a história de seu povo.

Citamos, por exemplo, a construção do Palácio da Cidade de Berlim, o Berliner Stadtschloss, e os elevados investimentos na reconstrução e no nivelamento do padrão de vida dos estados do antigo leste alemão.

As iniciativas são inúmeras e os valores consideráveis!

Recentemente – em 18 de março para ser mais precisa – foi inaugurada, com toda pompa e circunstância como merecem os compositores homenageados, a primeira etapa do “Quarteirão dos Compositores” em Hamburgo: a abertura dos museus dedicados a Georg Philipp Telemann, Carl Philipp Emanuel Bach e Johann Adolf Hasse. Telemann já tinha seu espaço, mas o acervo estava muito confinado.

A solenidade foi enriquecida com uma apresentação musical, como é de praxe, e contou com a presença e o pronunciamento da “Kultursenatorin” Barbara Kisseler, a “charmosa, determinada e assertiva” senadora de Cultura da cidade, de acordo com a imprensa local.

Esse projeto chamou a nossa atenção, quando estivemos lá em maio de 2013! Ele teve seu nome modificado e a relação de compositores ampliada. Agora são sete personalidades do mundo da música que tiveram presença destacada na cidade de Hamburgo. Ainda faltam, portanto, os museus dos demais compositores: Gustav Mahler, Fanny e Feliz Mendelssohn e Johannes Brahms; este último já tem seu museu que será integrado ao projeto.

Com relação à recuperação e saneamento das cidades do leste alemão, centenas de milhões de euros já foram aplicados nas universidades, em moradias, na urbanização e implantação de meios de transporte, nos meios de comunicação e muito mais. Abaixo podemos ver um exemplo bem simples, mas muito significativo do resultado dos primeiros 12 anos de investimentos. As fotos foram tiradas por Stefan Koppelkamm em 1991, logo após a reunificação, e em 2003, respectivamente:

em1991         em2003

Temos que concordar que a diferença é, no mínimo, chocante!

Outro exemplo: um mês após a abertura das primeiras casas dedicadas aos compositores em Hamburgo, foi realizada pela 15ª vez: a “Longa Noite dos Museus“. Como o nome já sugere, trata-se de um evento anual em que a maioria dos museus e centros históricos permanecem abertos ao público até pelo menos as 2 horas da manhã, oferecendo toda sorte de atrativos, além das tradicionais exposições, desde shows de bandas de rock e concertos de música clássica até demonstrações gastronômicas. Ah! E naturalmente cafés e restaurantes também aderem a toda essa mobilização e aguardam os visitantes para degustação de vinhos e de cardápios especialmente preparados para a ocasião.

noite

Também digna de nota é a finalização do projeto de reconstrução (praticamente do zero) da Igreja de Nossa Senhora, a “Frauenkirche“, de Dresden. É uma igreja luterana (a região central da Alemanha é preponderantemente luterana, pois foi palco da Reforma protestante introduzida por Martinho Lutero).

1880A igreja original em estilo barroco foi erguida entre 1726 e 1743. Em seu desenho, o arquiteto Bähr capturou o novo espírito protestante ao colocar o altar, o púlpito e a fonte batismal diretamente no centro da igreja, para uma ampla visão de toda a congregação. Em 25 de novembro de 1736 foi finalizada a construção do órgão, tocado uma semana depois em recital por Johann Sebastian Bach.

Em fevereiro de 1945 a igreja foi totalmente destruída pelas forças aliadas após um massivo ataque aéreo sobre a cidade.

Ao final da guerra, os restos da igreja foram numerados e empilhados no centro da cidade por 45 anos.

Após a unificação alemã (1989), um grupo de 14 membros liderados por Ludwig Güttler, deram origem à “Sociedade para promover a reconstrução da Frauenkirche”. Esta organização cresceu ao ponto de possuir mais de 5 mil membros na Alemanha e em outros 20 países. Günter Blobel, um dos sobreviventes da Guerra e morador da redondezas de Dresden ganhou o prêmio Nobel de medicina em 1999. Ele doou todo o seu prêmio, cerca de 1 milhão de dólares, para a reconstrução da igreja Frauenkirche. O valor final da reconstrução da igreja foi de 180 milhões de euros.

Na medida do possível a igreja foi reconstruída com suas pedras originais. Os trabalhos de reconstrução foram concluídos em 2005, um ano antes do planejado, a tempo para as comemorações dos 800 anos de Dresden em 2006. (Wikipedia)

2005

Deslumbrante o interior da igreja! Clique sobre a imagem para ampliá-la:

150530-dresd

Acesse o site oficial (em inglês) para conhecer a íntegra do projeto: www.frauenkirche-dresden.de/en/home, mas assista também a este vídeo de um trecho do concerto de Natal de 2014.

A lista de bens recuperados e resgatados é interminável. Invejavelmente interminável!!!

mapa-livroazulSó para aguçar ainda mais nosso apetite cultural: em 2002 foi elaborado, a pedido do Ministério da Cultura, o “Blaubuch“, o livro azul, pelo bibliotecário Paul Raabe, que reúne os principais bens tombados nos estados do leste alemão (v. mapa ao lado). São instituições, monumentos e memoriais dignos de deixarem qualquer mortal de queixo caído. A versão de 2006 está disponível (apenas em alemão) para download no site oficial do governo alemão. E este é o site oficial (em inglês) dos sítios culturais de memória.